sexta-feira, 31 de março de 2017

Chapa 3 tem Giovana candidata a vice.

Três chapas foram inscritas no CONACAN para a disputa da "presidência" da entidade. O prazo terminou às 18 horas de hoje, 31, e a última a se inscrever foi a "Reviver Candelária", liderada por Marcus Vinicius da Silva Pereira, que passa a ser chama de Chapa 3. Amo Candel foi a segunda a se inscrever. depois da Chapa 1, a "Filhos de Candelária", esta conta com apoio total de Victor de Freitas Vale, que passou 8 anos gerenciando o CONACAN, mas até agora não teve tempo de prestar contas dos últimos três anos.
Marcus Vinicius disse às 19 horas de hoje, 31, que fará uma campanha ordeira, séria e respeitosa. Ele pretende escrever um documento com a sua biografia e suas propostas para aplicar na administração do CONACAN, caso seja eleito no dia 7 de maio vindouro












Giovana Alice é candidata a vice-presidente da Chapa Reviver Candelária, liderada por Marcus O Movimento Reviver Candelária atua no bairro desde 2014 e tem diversos serviços prestados e ações desenvolvidas no bairro. Destacamos o requerimento enviado à Secretaria de Serviços Urbanos (Semsur) solicitando a iluminação completa da Rua Villa Lobos, que foi realizada em setembro do ano passado. Entre outras ações que reforçam a nossa preocupação, acima de tudo, com a segurança dos moradores de Candelária. Faça parte do nosso movimento! #MovimentoReviverCandelaria #Candelaria #Seguranca #Candel #Natal - Texto e fotos cedidas.


O Movimento Reviver Candelária atua no bairro desde 2014 e tem diversos serviços prestados e ações desenvolvidas no bairro. Destacamos o requerimento enviado à Secretaria de Serviços Urbanos (Semsur) solicitando a iluminação completa da Rua Villa Lobos, que foi realizada em setembro do ano passado. Entre outras ações que reforçam a nossa preocupação, acima de tudo, com a segurança dos moradores de Candelária. Faça parte do nosso movimento! 
A chapa do padre tem uma boa estrutura de propaganda, mas a da Reviver Candelária enfoca as ações  mais consequentes para a comunidade. Foto tirada do face do grupo.

A chapa Amo Candel é a chapa e a cara do padre da paróquia de Candelária, Júlio César. Os seus componentes são do Segue-me e o seu candidato a Presidente é mestre da banda da igreja, Andriere Henrique Medeiros da Rocha. O cabeça da informática da chapa é Gabriel, amigo dos meninos do Segue-me. Cláudio Porpino, da URBANA, quando conversava com três diretores da chapa e Jorge, funcionário da paróquia, também assuense. Com as mãos nos bolsos, Márcio, assuense e amigo de Andriere, de braços cruzados.

Enquanto isso, nos bares, se comenta que a dupla da campanha que começa amanhã, sábado, é Victor & Léo, tal a ligação política que nasceu por causa da eleição que se aproxima. A conferir se vai dar certo.
Estamos sem notícias da chapa Filhos de Candelária porque eles bloquearam o acesso à conta no Facebook.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Antonio Severino Filho, paraibano de nascimento e potiguar por adoção, faleceu domingo passado, em Natal, aos 68 anos. A reportagem abaixo, é o único registro sobre o "Poeta de Candelária".

Um pouco do "Triângulo das Fofocas' , digo "Triângulo dos Bares".

César Cabral, Cunha, "brigadeiro do ar" de Candelária e Manoel Neco e a sua cabeleira "avant garde". Foto de João Barbosa, o homem que bate fotos de costas em cima de motocicletas a 140 Kms/hora.



Candelária  tem  boêmios
 que gostam de poesia.
Luiz Gonzaga Cortez

No bairro de Candelária, zona sul de Natal, há dezenas de bares e botecos, lanchonetes e mercearias para todos os gostos e preferências dos seus moradores. Intensa vida noturna. Diversos boêmios e tipos folclóricos gravitam e/ou curtem o conjunto construído em 1975. Há bares que funcionam em antigas casas, perto de pracinhas e fundos de quintais, outros localizam-se na principal avenida da capital, a Prudente de Morais, que fecham as portas quando se retira o último freguês. Existem bares apropriados para uma conversa amena, troca de idéias e realização de negócios, assim como há locais onde o barulho impera por causa das possantes caixas de som que poluem o ambiente.
O bar da zoada, como é mais conhecido um dos locais mais populares entre os apreciadores de cervejas e cachaças, tem barulho, mas se conversa numa boa. A zoada é proveniente da gritaria peculiar a alguns boêmios seridoenses. Fica no chamado “triângulo das bermudas”, numa área que compreende a Avenida da Integração, Prudente de Morais e ruas Raposo Câmara e Cruz e Souza. Há outros “triângulos” etílicos no bairro, mas o Bar de Nequinho é conhecido pelos “altos decibéis” do vozerio dos caicoenses que baixam ali. No “triângulo das bermudas” estão o Bar de Nequinho, de “seo” Chico, de Niel (Bar São Tomé), Bar da Tesoura, Bar de Lopes, Bar da Saideira, da expulsadeira, do violão e outros mais, além dos churrasquinhos. Como em quase todos os bares, ali também tem mentirosos e boateiros, fofoqueiros contumazes.  Mas tem figuras meio excêntricas, como o capitão de longo curso conhecido Sr. Guedes. Mas não é que o homem gostaria de ser um ”vampiro”, dormir em cemitérios! Mas isso é outra história.
Como qualquer bar brasileiro, as conversas giram sobre todos os assuntos e problemas possíveis e imaginários, os temas abordados podem mudar em questão de segundos e as fofocas sobre a vida alheia, política e futebol dominam as preferências. Não escapa ninguém. Os boateiros inveterados gostam de falar de quem está grávida (sem estar), de quem está fumando maconha ou traficando (sem procedências), de quem faliu, dos cornos, dos papudinhos em geral e dos que estão devendo nos bares. Assim como começa, essas conversas terminam sem nenhuma conclusão, sem brigas. Tudo numa boa, às vezes.
O conhecido bar do barulho cordial, o de Nequinho, se fala alto os principais temas do noticiário do dia. Quem está fora do fuzuê verbal, à primeira vista, pensa que o pau vai baixar, mas o dono, Nequinho, fica olhando e rindo. “È assim mesmo, já estou acostumado”, costuma dizer.
Não podemos esquecer dos cordelistas, poetas e contadores de histórias de vários matizes. Antonio Morais da Silva, quase nonagenário, natural de Caicó, freqüenta o Bar da Tesoura (nome já diz tudo) e Antonio Severino Filho, paraibano, baixa no Bar de Chiquinho. O contador de histórias fantásticas Hermany Dantas, Toinho das Bolsas e Cadinha são figuras do pedaço. Cadinha, vixe Maria, também merece uma crônica. Depois eu conto. E a “Besta Fera”? Essa é a carinhosa alcunha de Zimar Martins Paiva, formado em aquacultura pela nossa UFRN, capaz de discorrer sobre todas as espécimes marinhas e a vida no sertão do Oeste potiguar. Já foi mordido por um jumento que quase arrancava um braço.
Antonio Severino quando está inspirado, sai do trivial. Indagado sobre quem era, ele respondeu: “Sou uma pessoa que adora uma caninha/para saciar os meus desejos/ seja Pitu, Carangueja/Cinqüenta e Um ou Rocinha/Começo de manhãzinha/vou até ao entardecer/bebendo para esquecer/sem nenhuma alacridade/durmo e sonho com a eternidade/mas sem pensar em morrer”. “Muito bem, poeta! Tome cinco”, grita um parceiro de birita. Um detalhe: Antonio repete muito, nos seus versos improvisados, o nome do planeta Saturno.
No bar da Tesoura, a clientela é da 3ª idade, mas se joga baralho, se ouve Hortêncio Nóbrega cantar e tocar violão. Os caicoenses gostam muito de futebol. Antonio Morais da Silva fez uma trova envolvendo um jogo entre o Caicó Esporte Clube e o Atlético Clube Corinthians, intitulada A Raposa e o Galo. O mote: A raposa comeu o galo sem tirar nenhuma pena. Glosa: Pegamos pelo gargalo/em pleno Avelinão/ sem dó e sem compaixão/ a raposa comeu o galo./Aproveitando o embalo/naquela tarde serena/com tranqüilidade plena/já no começo do ano/o galo entrou pelo cano/sem tirar nenhuma pena”.
Candelária tem outros versejadores, como Sr. Massena, Bonifácio Soares (está no “estaleiro”, isto é, em tratamento de saúde), José Saldanha (recentemente falecido), André Batista, José Rego e Manuel Azevedo Bezerra, vulgo Mané da Retreta, autor do “Cordel da Cachaça”, um misto de professor, músico e poeta, natural de Santana do Matos/RN.
Luiz Gonzaga Cortez é jornalista e pesquisador.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Nuplam retoma produção de medicamentos para o SUS

Marina Gadelha – ASCOM – Reitoria/UFRN

Fotos: Cícero Oliveira

Novos caminhos na produção fabril serão trilhados em 2017 pelo Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos (Nuplam), unidade suplementar da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) que retoma a fabricação de medicamentos para o Sistema Único de Saúde (SUS) após aderir à política de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs), estimulada pelo Ministério da Saúde (MS). Atualmente o laboratório recebe transferência de tecnologia da empresa EMS para produzir inicialmente comprimidos de Olanzapina, substância utilizada no tratamento da esquizofrenia.

Outros projetos de PDP foram encaminhados recentemente ao MS para ampliar o leque de produção do laboratório com os medicamentos Hidroxiureia (tratamento de anemia falciforme), Fingolimode (tratamento de esclerose lateral) e Raltegravir (antirretroviral), que constam na lista de prioridades do ministério. Além disso, o Nuplam assinou em dezembro de 2016 o termo de compromisso para produção de Donepezila, fornecida para tratamento da doença de Alzheimer.

Fábrica de líquidos

A reativação da fábrica de medicamentos líquidos é mais um objetivo em discussão com a Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) e a Secretaria de Ciência e Tecnologia de Insumos (SCTIE) do MS, por meio da transferência de tecnologia com a empresa Geolab para a implantação de uma linha de produção de colírios utilizados no tratamento de glaucoma. Em parceria com o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e outros laboratórios, a unidade ainda dispõe de projeto para produzir mais dois antirretrovirais.

“Procuramos novas opções de produção com a perspectiva de angariar recursos para a manutenção, a modernização e o crescimento do Nuplam, que começou a atividade fabril com cápsulas para tratamento da tuberculose e agora busca estender sua atuação dentro das exigências do MS. Os impactos são positivos em diversos segmentos: científico, tecnológico, econômico, mercadológico, ambiental e social”, afirma o diretor do Nuplam, professor Carlos José de Lima.

Atualmente, o Nuplam conta com setor administrativo, área de produção e embalagem de medicamentos sólidos, área de Pesquisa e Desenvolvimento Farmacêutico, almoxarifados, Laboratório de Controle de Qualidade, Estação de Tratamento de Água, áreas de serviço de apoio, e dentro do seu espaço físico existe estrutura capaz de receber ampliações futuras. Uma fábrica de medicamentos sólidos orais multi propósito estará em funcionamento até o início do segundo semestre deste ano, com capacidade para produzir até cinco medicamentos em etapas produtivas sucessivas, em um total de até 200 milhões de unidades farmacêuticas por ano.
Segundo Carlos José de Lima, a fabricação poderá ser distribuída por períodos, a partir da demanda de cada medicamento e com paradas para processos de limpeza, permitindo que não haja ociosidade na planta fabril.

Suporte acadêmico

O Nuplam oferece apoio regular a uma média de 400 alunos por ano, como visitantes, bolsistas, estagiários e em desenvolvimento de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) dos cursos de graduação em Ciências Biológicas, Biomedicina, Enfermagem, Química, Farmácia, Engenharia Mecânica, Estatística, Engenharia de Produção, entre outros, além do suporte a estudantes de pós-graduação.
No campo da extensão, integra o programa nacional Descarte Consciente, que oferta estações coletoras para a destinação correta de resíduos farmacêuticos considerados descartáveis pela população: pomadas, comprimidos, líquidos, sprays, caixas, bulas e embalagens usadas e/ou com validade expirada. Lançado no Estado em setembro de 2016, o trabalho dispõe de uma estação coletora no Centro de Convivência do campus central da UFRN e já recolheu mais de 100 quilos de medicamentos apresentados para descarte. Uma equipe de alunos e farmacêuticos orienta a coleta dos resíduos, levados posteriormente ao Nuplam e encaminhados para incineração.

A coordenadora do projeto e vice-diretora do Nuplam, professora Lourena Mafra Veríssimo, explica que o descarte de medicamentos no lixo comum, na pia ou no vaso sanitário contribui para um grave problema de saúde pública. Isso porque as substâncias químicas desses produtos podem contaminar o solo e chegar aos rios e córregos, o que compromete a qualidade da água para consumo humano. “Além disso, o armazenamento de medicamentos vencidos ou não utilizados pode levar ao uso inadequado destes medicamentos, com risco de intoxicação medicamentosa e agravos à saúde”, alerta.

De caráter educativo, o programa Descarte Consciente já participou de eventos dentro e fora da UFRN, entre eles a exposição cultural “Sobre o uso Racional do Medicamento” em dois shoppings da cidade. A partir do mesmo projeto são geradas pesquisas que, no futuro, refletirão um perfil do descarte de medicamentos em Natal. Apesar dos avanços conquistados pelo programa, Lourena Veríssimo alerta que a quantidade de coletoras é insuficiente para receber a demanda da região, por isso é essencial o avanço de políticas públicas nesse sentido.

Saiba mais

Outras informações sobre o assunto estão disponíveis no sitewww.descarteconsciente.com.br, no Facebook “Descarte Consciente UFRN” e no Instagram @descarteconsciente.  Para conhecer mais sobre o Nuplam, os interessados podem acessar o endereçowww.nuplam.ufrn.br ou agendar visitas guiadas para conhecer a estrutura física do laboratório, com limite de 10 pessoas por grupo. Os agendamentos são realizados pelo telefone 3342-2295 (Ramal 205).



Chapa Reviver acredita na lisura da comissão eleitoral.

O candidato da chapa Reviver Candelária, Marcus Vinicius Pereira, potiguar de Caicó, afirmou hoje que confia na idoneidade e competência do presidente da Comissão Eleitoral, Tércio Tinôco, eleito no domingo, 26, para presidir a eleição do dia 7 de maio. "Apesar de ser da chapa Amo Candel, Tércio, pelo seu comportamento na assembleia, demonstra que presidirá o pleito com independência, lisura e honestidade. Vamos fazer uma campanha de alto nível, sem ódio e sem medo. O cadastro de votantes tem 2.568 inscritos aptos. Agora, se votarão mesmo , não sabemos, mas houve 100 inscrições nos últimos meses, que estão inclusos", adiantou Marcus Vinicius.


 Marcus Vinicius na reunião que analisou o saneamento básico de Candelária, juntamente com outros representantes do bairro.

Provocações
Os eleitores da chapa Reviver estão sendo orientados a não responder as possíveis provocações de pessoas de outra chapa ou de indivíduos não identificados que permanecerem próximos de suas residências ou seguindo seus carros nos deslocamentos no conjunto Candelária ou fora dele. Eles utilizam carros com placas de Natal, Parnamirim e de outras localidade, havendo, ainda, suspeitas de que as placas são frias. A confirmar. Por isso, se aconselha anotar a marca, a cor, e a placa.Um detalhe: os "detetives" não trafegam em alta velocidade, ao contrário, mas devagar, inclusive, quando saem dos locais sombreados ou não. Usam câmeras de celulares e óculos escuros, além de relógios "patacões", assim chamados por serem grandes, brilhosos, com gravadores e mini-câmeras.
Aviso do blog
O presidente da Comissão Eleitoral, o jovem Tércio Tinoco, é primo de Marcelo Tinoco, assessor do presidente do CONACAN (ele estava ao lado de Victor Vale, durante toda a assembleia de domingo e considerado o responsável pela articulação da formação da Comissão Eleitoral, rompendo com o acordo anteriormente feito para conter um representante de cada chapa).
Mais: Marcelo Tinoco é primo de Tércio,de Márcio Tinoco (filho de "Teuca" Tinoco), casado com Suzelle, a grande mentora da Chapa Amo Candel e integrante de uma pastoral da Paróquia de Candelária, do padre Júlio César, o estrategista.
Lima, Victor, Judite, do Recriar, e o advogado Marcelo Tinoco, assessor jurídico do CONACAN.
Segundo informações, o assessor jurídico do Conacan não pode orientar a Comissão Eleitoral, mas opinar. Por isso, os candidatos devem tomar cuidado e observarem os laços de parentescos de Tércio, Marcio e Suzele. Numa eleição para legislativos federal, estadual e municipal, haveria impugnação. Você duvida? Eu não.
E mais: quem viu o secretário anotando os dados da assembléia de domingo, 26? No meio daquela zuada, quem anotou o que ocorreu no tocante à formação da comissão eleitoral? Ao meu lado, um cidadão perguntou: "aqui não tem escrivão, não?".







domingo, 26 de março de 2017

Comissão eleitoral sob controle de Victor Vale.

Victor Vale, atual diretor do CONACAN, mostrou que sabe mesmo fazer política, na manhã de hoje,
ao provar que continuará mandando no Conselho de Moradores, ao escolher, às pressas, os nomes da maioria da Comissão Eleitoral que será responsável pela eleição marcada para o dia 7 de maio. Os cinco membros da Comissão são da chapa Filhos de Candelária e representantes do CONACAN (leia-se Victor). 
A reunião foi conturbada, mas, ao final, viu-se que tudo transcorreu como Victor Vale queria: três nomes indicados por e dois indicados pelas chapas que vão concorrer ao pleito. Desconfia-se que os cinco nomes são das chapas Filhos da Terra e da Amo Candel, numa manobra "secreta" feita por Victor com "Léo", candidato dos "Filhos", dr. Marcelo Tinoco, e Suzele Tinoco, casado com o primo do advogado, segundo rumores que circulam. A confirmar. Andriere não foi visto no salão do CONACAN, mas esteve no CONACAN pouco tempo,pois tinha compromisso com a banda da Igreja .O ex-presidente Nilo Caldas também foi considerado outro grande articulador. E Netão, da chapa Transparência? Irá mesmo apelar à Justiça contra a assembleia de hoje?
Um detalhe: foram quatro advogados atuando na assembléia ordinária. Sinal que os concorrentes estão bem municiados. Até amanhã.

sábado, 25 de março de 2017




25/03/2017 16h59 - Atualizado em 25/03/2017 17h15

'Terrorismo se combate com fogo', escreveu atirador do MPRN

Guilherme tinha motivações políticas para atacar procuradores e promotor.
Servidor afirma que passou 3 anos planejando crime praticado nesta sexta.

Do G1 RN
Atirador do Ministério Público chega ao Comando da Polícia Militar (Foto: Carlos Lima/Inter TV Cabugi)Servidor do MP se apresentou neste sábado e ficou preso (Foto: Carlos Lima/Inter TV Cabugi)
O servidor do Ministério Público do Rio Grande do Norte Guilherme Wanderley Lopes Silva teve motivações políticas e administrativas para atacar procuradores e um promotor de justiça, nesta sexta-feira (24), deixando dois baleados. Em carta escrita antes de praticar o crime, ele destacou que: 'terrorismo se combate com fogo'. E ainda 'alguém precisava fazer algo efetivo e dar uma resposta a esse genuíno crime organizado'.
Guilherme Wanderley invadiu uma reunião onde estava o procurador-geral de Justiça do RN, Rinaldo Reis, no final da manhã desta sexta-feira. Ele chegou a atirar contra Rinaldo, mas errou. No entanto, conseguiu acertar o  promotor público Wendell Beetoven nas costas e dois tiros no procurador-geral adjunto, Jovino Sobrinho.
Ele estava sendo procurado pela polícia e se apresentou no final da manhã deste sábado (25). Depois disso, ficou preso por força de um mandado de prisão preventiva e foi levado para o Centro de Detenção Provisória da Ribeira.
Também nesta tarde, o Ministério Público divulgou a íntegra da carta que foi escrita por Guilherme Wanderley e deixada na sala do procurador-geral. No documento, o servidor cita várias questões políticas e administrativas referentes à gestão de Rinaldo Reis, bem como do procurador-geral adjunto e do promotor Wendell.
Ministério Público do RN divulga carta de atirador (Foto: Divulgação/MPRN)Trecho da carta do atirador divulgada pelo Ministério Público do RN (Foto: Divulgação/MPRN)
Sobre o motivo para matar os três, o funcionário do MP criou um tópico específico no qual escreveu: "Ora, o motivo é intuitivo: legítima defesa sui generis própria e alheia. Alguém precisava fazer algo efetivo e dar uma resposta a esse genuíno crime organizado. Resposta do tipo: 'para algumas ações, haverá sim reação'. Ou: 'quem planta... colhe'. A verdade não pode ser calada, nós estamos numa guerra que, infelizmente, é imperceptível por muitos dada a gigantesca cegueira do nosso povo ignorante, desorganizado e, por isso mesmo, culpados. A caneta tem o poder de ferir e matar. Meu lema há muito tempo é: trate os outros como gostaria de ser tratado e procurando dar a cada um o que é seu. Tão fácil de seguir, mas, infelizmente, tão desprezado".
Planejamento
Guilherme escreveu ainda que seu plano de matar os procuradores e o promotor vem desde o ano de 2013. "Eu estou preparado desde 2013, na espreita de sua principal jogada maldosa: exonerar os assessores ou ataque à suas finanças. Aí sim, eu teria carta branca para fazer o que tinha e tem que ser feito. Sigo o critério objetivo dele. O que é ruim para o todo deve ser descartado. Ele inspira tremenda má influência e isso já temos de dobra. Tinha que esperar até o último momento, até minhas finanças se esgotarem, porque a tarefa não é nada fácil, apesar de necessária".
Ainda no documento, ele completa: "São mais de 3 anos esperando (desde abril de 2013). Angústia porque não sou dono da verdade e, por isso mesmo, ainda tenho um pouquinho de dúvidas acerca dessa minha conduta. Cerca de 5% a 10% de dúvidas. Mas, satisfação porque pedi resposta a Deus e, pelo que percebi, ele me mostrou esse caminho. Tenho cerca de 90% de certeza de que assim devo proceder. Os sinais foram vários, claros e eu prometi a Deus e a Jesus Cristo que estaria pronto para essa tarefa. Ora, se prometi uma coisa a Eles... como posso voltar atrás? Nunca! Sou um servo de Deus e de Jesus Cristo".
O servidor, em determinado trecho da carta, deixa claro que seus planos eram matar os alvos: "Hoje, aconteceu o 'impeachment qualificado' (pelo menos, do procurador-geral de Justiça e do procurador-geral de Justiça adjunto, ambos aqui do Rio Grande do Norte). Notem que o impeachment convencional não seria possível, tendo em vista que o Rinaldo sabia se articular bem e, relembrando a eleição, conseguiu 132 votos a favor e 82 contra, como consequência, logrou êxito na candidatura do citado cargo".
Ele também dá indícios de que sabia que poderia morrer durante a ação planejada ou até mesmo tirar a própria vida, ao ressaltar: "Esse meu relato eu tentarei entregar a algumas pessoas de bem, honestas, visando a melhor divulgação possível desse trabalho e sem cortes. Vocês que ficam, busquem a dignidade. Encontrem um caminho mais fácil que o meu".

Exoneração
Guilherme fala em vários pontos do documento sobre a conduta de Rinaldo Reis e seus assessores a frente do Ministério Público e destaca: "Na verdade, desde abril de 2013, foi o epicentro, pois, nesse ano, foi engendrado meu plano infalível para destronar esses déspota mais ou menos esclarecido e alguns de seus, pois, naquela data houve o debate da campanha ministerial, quando ele falou que os assessores seriam exonerados, o sangue ferveu e eu tive a certeza dos minhas intenções".
"Quem quiser entender melhor o porquê da minha ira, é só olhar o CD do debate. Veja que, meu cargo tem muito mais legitimidade que o deles. Jovino foi, inclusive, empossado como adjunto sem autorização do Colégio de Procuradores de Justiça. Estou tentando dar bons exemplos ao Brasil. Como um beija-flor apagando um incêndio. E mudar pra melhor. Exagero se combate com exagero. Terrorismo se combate com fogo", completou.
Ao final do documento que foi deixado na sala do procurador-geral de Justiça, o servidor autor do atentado ainda colocou uma carta de renúncia e exoneração para que o procurador-geral Rinal Reis assinasse, assim como o procurador-geral adjunto Jovino Sobrinho e o promotor Wendell Beetoven.
  •  
Ministério Público do RN divulga carta do atirador Guilherme Lopes (Foto: Divulgação/MPRN)Atirador Guilherme Lopes preparou pedido de exoneração para que vítimas assinassem (Foto: Divulgação/MPRN)
Corrupção e questões sociais
Também em seu texto, o servidor do MP cita problemas sociais e ainda a corrupção no Brasil. "Temos policiais mal remunerados, sem diárias, com salários atrasados, sem estrutura, sem voz. Justamente o setor que inicia o combate ao crime, é um dos mais esquecidos pelo Estado. Muitos ainda estão dispostos a perder a vida a se corromper. Essa parte é linda. É, o pior é que tem muita gente que reclama, mas, concorda em ser corrupto. A verdade é sempre revelada, cedo ou tarde. O brasileiro é um povo muito corrupto, nesse sentido foram as várias e oportunas crônicas de Arnaldo Jabour. Ocorre que, os maus dominam, mesmo assim, há muita gente boa no nosso país e devemos lutar por nós e por essa minoria. Devemos fazer ou tentar fazer com que a maioria entenda que a corrupção é ruim para todos. O trabalho dos bons não pode parar. Qualquer que seja sua dimensão: beija-flor ou industrial. Pouco ou muito. Porque o importante é alimentarmos o espírito. A luta é importante, o resultado terreno não. Vamos dar uma chance a mais ao RN, ao Brasil.