segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Anvisa registra primeira vacina contra dengue no Brasil. Para pessoas entre 9 a 45 anos de idade e que moram em áreas endêmicas.Vacina não protege contra os vírus Chikungunya e Zika.


A Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) validou a vacina contra a dengue, a primeira contra a doença registrada no Brasil. O registro, publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira (28/12), permite que a vacina seja utilizada no combate à dengue, destacando que a vacina não protege contra os vírus Chikungunya e Zika. Para validar a vacina, a Anvisa observou a comprovação da qualidade, segurança e eficácia do produto, além da certificação de cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e as respectivas autorizações sanitárias para o funcionamento da empresa fabricante. A análise de todos esses dados foi pautada na relação benefício x risco da vacina.

Público imunizante

A vacina, produzida pela Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda, foi aprovada para a seguinte indicação terapêutica: prevenção da dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4 em indivíduos dos 9 aos 45 anos de idade e que moram em áreas endêmicas. No momento não há dados suficientes para a comprovação da segurança de uso da vacina em indivíduos menores de 9 anos de idade, principalmente na faixa etária de 2 a 5 anos, bem como para os brasileiros maiores que 45 anos. [Fonte: Portal Anvisa Saiba mais] 



--
Postado por AssessoRN - Jornalista Bosco Araújo no AssessoRN.com em 12/28/2015 02:19:00 PM

O sistema financeiro merece impeachment já! Por Ceci Juruá | Rio de Janeiro, dezembro de 2015 Em brilhante conferencia[1] apresentada durante o 3º. Encontro Nacional da CNTU[2], em dezembro deste ano, o prof. Ladislau Dowbor defendeu o ponto de vista que os intermediários financeiros são, na atualidade, meros atravessadores. A economia brasileira para, e está parando segundo Dowbor, porque o sistema de intermediação financeira trava os três motores da economia: a produção a cargo dos empresários, a demanda das famílias e os investimentos públicos. Tais questões ficariam muito claras, explica Dowbor, se dispuséssemos no Brasil de um fluxo financeiro integrado. Como este fluxo não existe, tem sido difícil quantificar os efeitos da ação dos bancos sobre os distintos setores da economia real. Valendo-se de alguns exercícios, a partir das estatísticas disponíveis, Dowbor afirma, por exemplo: “Abstraindo a divida pública, os bancos se apropriam de uma carga de juros anuais de R$ 880 bilhões, 15,4% do PIB. Uma massa de recursos deste porte transforma a economia (…) esterilizando a dinamização da economia pelo lado da demanda (…) a parte da renda familiar que vai para o pagamento das dívidas passou de 19,3% em 2005 para 46,5% em 2015.” Além de travar a demanda das famílias, os juros extorsivos cobrados pelos bancos no Brasil impedem que os empresários privados recorram ao crédito. Em média, explica Dowbor, os juros são de 24% para capital de giro, 35% para desconto de duplicatas. Enquanto isto, “na zona euro o custo médio para pessoa jurídica é de 2,20% ao ano.” Os resultados macroeconômicos fornecidos pelo IBGE[3] confirmam a percepção do ilustre professor da USP[4]. Em média, durante os últimos 20 anos, a repartição da renda interna bruta, gerada no processo econômico, privilegiou o capital, capaz de se apropriar de um percentual que oscila em torno de 40% desta renda. Outro tanto vai para os trabalhadores. O restante entre 15% e 20% fica com o governo, incluídos nesta parcela os benefícios da previdência social pública. Em grandes linhas, os números da macroeconomia expõem o drama do subdesenvolvimento e da concentração de renda que o caracteriza: 5% da população, empresários e rentistas, absorvem parcela da renda nacional idêntica à que sustenta 95% da população brasileira. Além disso, estes mesmos 5%, privilegiados no processo produtivo, são capazes de um comportamento que pode ser visto como indigno, pois transferem para seus clientes, empregados e fornecedores, impostos diretos que deveriam ser de sua responsabilidade, caso do IPTU e ITR, do IPVA dos veículos luxuosos que os servem em suas empresas e, geralmente, do próprio Imposto de Renda que incide sobre ganhos empresariais. Estes impostos, diretos, deveriam constituir instrumentos de redistribuição de renda à disposição dos governos. Aqui, no entanto, eles se prestam a um novo mecanismo de extorsão, não-legal, da renda das famílias. Também é de conhecimento público que a classe empresarial brasileira, assumindo postura de cúmplice da financeirização e do rentismo, que privilegiam particularmente bancos e atores financeiros mas também as grandes empresas, ousam uma campanha sórdida contra os trabalhadores, quando afirmam que o orçamento fiscal não suporta a democracia. Querem na verdade reduzir salários e direitos dos trabalhadores, em particular as transferências que o Governo faz para extirpar a fome e a miséria, caso do Bolsa Família. Querem também liquidar a previdência pública e deixá-la a reboque de planos privados que sugam mais dinheiro da renda familiar e o transferem ao sistema bancário. Lideram por isto uma campanha feroz contra a atual presidente da República e contra os partidos que, com erros e acertos, vem procurando mitigar os efeitos perversos do neoliberalismo aqui reinstalado na década de 1990. Como oligarquia, a ação anti-democrática dos plutocratas dispõe de amplo apoio nas camadas mais bem pagas da burocracia, Judiciário e Legislativo. Apoio amplo, mas não generalizado. Ainda hoje, a maioria de juízes e magistrados, de políticos, prefeitos e governadores, não se curvou às exigências da minoria que gostaria de reintroduzir no Brasil a escravidão e o sistema de agregados da “casa grande”. Por isto é necessário um golpe, um golpe de Estado que reponha no poder senhores e vassalos da financeirização e do rentismo. Em lugar de apontar a causa real da estagnação da economia brasileira, como o faz brilhantemente o prof. Ladislau Dowbor[5], seus intelectuais orgânicos apontam como inimigos da nação a Constituição Cidadã, os direitos sociais e trabalhistas e os governantes que os respeitam. Não passarão! Mas é preciso que o povo nas ruas e nas tribunas democráticas imponha agora e já: IMPEACHMENT PARA O SISTEMA FINANCEIRO! DEVOLVAM ÀS FAMÍLIAS DOS TRABALHADORES BRASILEIROS OS RESULTADOS DE UMA PILHAGEM QUE JÁ DURA 25 ANOS! *** Ceci Juruá é economista, doutora em políticas públicas, membro do Forum 21, do Conselho Consultivo da CNTU e da diretoria do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos/IBEP. [1] Ladislau Dowbor. Resgatando o potencial financeiro do Brasil. Outubro de 2015. [2] Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados [3] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [4] Universidade Federal de São Paulo [5] Seus livros e textos estão todos disponibilizados gratuitamente em seu blog.


Por Ceci Juruá | Rio de Janeiro, dezembro de 2015

Em brilhante conferencia[1] apresentada durante o  3º. Encontro Nacional  da CNTU[2], em dezembro deste ano,  o prof. Ladislau Dowbor defendeu o ponto de vista que os intermediários financeiros são, na atualidade, meros atravessadores. A economia brasileira para, e está parando segundo Dowbor, porque o sistema de intermediação financeira trava os três motores da economia: a produção a cargo dos empresários, a demanda das famílias e os investimentos públicos.
Tais questões ficariam muito claras, explica Dowbor, se dispuséssemos no Brasil de um fluxo financeiro integrado. Como este fluxo não existe, tem sido difícil quantificar os efeitos da ação dos bancos sobre os distintos setores da economia real.  Valendo-se de alguns exercícios, a partir das estatísticas disponíveis, Dowbor afirma, por exemplo:
“Abstraindo a divida pública, os bancos se apropriam de uma carga de juros anuais de R$ 880 bilhões, 15,4% do PIB. Uma massa de recursos deste porte transforma a economia (…) esterilizando a dinamização da economia pelo lado da demanda (…)  a parte da renda familiar que vai para o pagamento das dívidas passou de 19,3% em 2005 para 46,5% em 2015.”
Além de travar a demanda das famílias, os juros extorsivos cobrados pelos bancos no Brasil impedem que os empresários privados recorram ao crédito. Em média, explica Dowbor, os juros são de 24% para capital de giro, 35% para desconto de duplicatas. Enquanto isto, “na zona euro o custo médio para pessoa jurídica é de 2,20% ao ano.”
Os resultados macroeconômicos fornecidos pelo IBGE[3] confirmam a percepção do ilustre professor da USP[4]. Em média, durante os últimos 20 anos, a repartição da renda interna bruta, gerada no processo econômico, privilegiou o capital, capaz de se apropriar de um percentual que oscila em torno de 40% desta renda. Outro tanto vai para os trabalhadores. O restante entre 15% e 20% fica com o governo, incluídos nesta parcela os benefícios da previdência social pública.
Em grandes linhas, os números da macroeconomia expõem o drama do subdesenvolvimento e da concentração de renda que o caracteriza: 5% da população, empresários e rentistas, absorvem parcela da renda nacional idêntica à que sustenta 95% da população brasileira. Além disso, estes mesmos 5%, privilegiados no processo produtivo, são capazes de um comportamento que pode ser visto como indigno,  pois transferem para seus clientes, empregados e fornecedores, impostos diretos que deveriam ser de sua responsabilidade, caso do IPTU e ITR, do IPVA dos veículos luxuosos que os servem em suas empresas e, geralmente, do próprio Imposto de Renda que incide sobre ganhos empresariais. Estes impostos, diretos, deveriam constituir instrumentos de redistribuição de renda à disposição dos governos. Aqui, no entanto, eles se prestam a um novo mecanismo de extorsão, não-legal, da renda das famílias.
Também é de conhecimento público que a classe empresarial brasileira, assumindo postura de cúmplice da financeirização e do rentismo, que privilegiam particularmente bancos e atores financeiros mas também as grandes empresas, ousam uma campanha sórdida contra os trabalhadores, quando afirmam que o orçamento fiscal não suporta a democracia. Querem na verdade reduzir salários e direitos dos trabalhadores, em particular as transferências que o Governo faz para extirpar a fome e a miséria, caso do Bolsa Família. Querem também liquidar a previdência pública e deixá-la a reboque de planos privados que sugam mais dinheiro da renda familiar e o transferem ao sistema bancário.
Lideram por isto uma campanha feroz contra a atual presidente da República e contra os partidos que, com erros e acertos, vem procurando mitigar os efeitos perversos do neoliberalismo aqui reinstalado na década de 1990.  Como oligarquia, a ação anti-democrática dos plutocratas dispõe de amplo apoio nas camadas mais bem pagas da burocracia, Judiciário e Legislativo. Apoio amplo, mas não generalizado. Ainda hoje, a maioria de juízes e magistrados, de políticos, prefeitos e governadores, não se curvou às exigências da minoria que gostaria de reintroduzir no Brasil a escravidão e o sistema de agregados da “casa grande”.
Por isto é necessário um golpe, um golpe de Estado que reponha no poder senhores e vassalos da financeirização e do rentismo. Em lugar de apontar a causa real da estagnação da economia brasileira, como o faz brilhantemente o prof. Ladislau Dowbor[5], seus intelectuais orgânicos apontam como inimigos da nação a Constituição Cidadã, os direitos sociais e trabalhistas e os governantes que os respeitam.
Não passarão! Mas é preciso que o povo nas ruas e nas tribunas democráticas imponha agora e já: IMPEACHMENT PARA O SISTEMA FINANCEIRO! DEVOLVAM ÀS FAMÍLIAS DOS TRABALHADORES BRASILEIROS OS RESULTADOS DE UMA PILHAGEM QUE JÁ DURA 25 ANOS!
***
Ceci Juruá é economista, doutora em políticas públicas, membro do Forum 21, do Conselho Consultivo da CNTU e da diretoria do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos/IBEP.

[1] Ladislau Dowbor. Resgatando o potencial financeiro do Brasil.  Outubro de 2015.
[2] Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados
[3] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
[4] Universidade Federal de São Paulo
[5] Seus livros e textos estão todos disponibilizados gratuitamente em seu blog.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Numa provável ultrapassagem na faixa proibida.

25/12/2015 11h03 - Atualizado em 25/12/2015 11h36

Seis pessoas morrem em acidente de carro na BR-226 no RN

Acidente aconteceu entre as cidades de Tangará e Serra Caiada.
Dois carros bateram de frente; nenhum ocupante dos veículos sobreviveu.

Do G1 RN
Acidente aconteceu na BR-226 entre Tangará e Serra Caiada (Foto: Francisco Júnior/Inter TV Cabugi)Acidente aconteceu na BR-226 entre Tangará e Serra Caiada (Foto: Francisco Júnior/Inter TV Cabugi)
Um grave acidente deixou seis pessoas mortas na manhã desta sexta-feira (25) na BR-226, entre as cidades de Tangará e Serra Caiada, no interior do Rio Grande do Norte. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, dois carros bateram de frente por volta das 6h.
Os carros envolvidos no acidente são um Gol e um Siena. Ainda segundo informações da PRF, cinco pessoas estavam no Siena e um homem no Gol.
No Siena, além do motorista que prestava o serviço de lotação, estavam quatro pessoas da mesma família. Uma criança de oito anos chegou a ser socorrida, mas morreu a caminho do hospital. Entre as vítimas ainda está outra criança de um ano de idade.
Entre as vítimas estão duas crianças: uma de oito anos e outra de um (Foto: Francisco Júnior/Inter TV Cabugi)Entre as vítimas estão duas crianças: uma de oito anos e outra de um (Foto: Francisco Júnior/Inter TV Cabugi)

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

A luz do autêntico Natal.

Por Anchieta Fernandes*

Foto reproduzida/divulgação
O biólogo francês Edmond Rostand escreveu certa vez: “À noite é mais belo acreditar na luz.” Em cada Noite de Natal, podemos tentar fazer uma reflexão para acreditar e compreender: o que é a luz de um autêntico Natal. Comemorá-lo não é ganhar ou dar presentes incorporados em coisas materiais. É dar o presente espiritual da luz de uma criança, da luz trazida pelo Menino Jesus desde a humilde estrebaria onde nasceu, naquela noite de 24 de dezembro, em Belém, na Judéia (atualmente, área da Cisjordânia), há mais de dois mil anos. Dezembro é a luz do sol veranico e a luz interior.

Se o genial músico pop John Lennon foi assassinado num mês de dezembro (08/12/1980), o foi não propriamente por um fã cheio da luz que emana das canções dos Beatles, mas sim por alguém cheio dos mais escuros dos pensamentos. Naquele vídeo clássico, em que Lennon canta “Imagine” (da letra: “imagine todas as pessoas/vivendo a vida em paz/sem a necessidade de ganância ou fome/uma irmandade dos homens”), e Yoko Ono começa a abrir portas e paredes de vidro para a luz entrar, tudo só podia terminar na bela cena, o beijo de amor e paz trocado pelo casal revolucionário.

O significado, a luz do autêntico Natal não está em ceias com bebedeiras, degustação da carne sacrificada de animais (principalmente, perus), ou a falsidade da troca de presentes do “amigo secreto” (“amigos” estes que no dia-a-dia vivem trocando farpas ou se agredindo).Outra coisa: também não está na pose caritativa uma vez por ano. Crianças e adultos carentes e excluídos dos banquetes comuns aos palacetes dos ricos todos os dias do ano, precisam de presentes e atenção todos os dias do ano. É necessário que se visite as noites dos famintos, dos doentes, dos drogados, e até mesmo dos que cometeram crimes em instantes de fraqueza.

Não é criticável o hábito das prefeituras das grandes cidades, decorando ruas e praças, no período natalino, com milhares de luzes. Diante de tantas dificuldades de vida de alguns dos seus habitantes, a palavra de Deus e seu ato mandando que “exista a luz” são motivos de um pouquinho de alegria. Deus iluminou com sol, lua e estrelas sua cidade cósmica, separando a luz das trevas e dando mobilidade à vida; assim como a Estrela itinerante guiou os Magos até à gruta onde estava o Menino Jesus recém-nascido, também visitado por pastores de ovelhas.

A luz é comunicação. O imperador francês Napoleão, já estabelecera um telégrafo luminoso. Através de um código, as mensagens eram emitidas como “piscadelas” de luz. A ciência e a tecnologia avançaram, desde Napoleão, até á invenção do raio laser, em 1960, pelo físico americano Theodor Harold Maiman. O raio laser, como fonte de luz, veio a permitir através de reguladores da intensidade da luz, que os seus feixes de luz funcionem como canais de comunicação, levando sinais sonoros e visuais (televisão, por exemplo) à grande distância. Esta inteligência humana será um sopro divino?
Que a luz natalina venha sempre. A sua comunicação pode ser de várias maneiras. Antigamente, eram as lapinhas e os reisados, boi calemba, nau catarineta etc. Câmara Cascudo, no “Dicionário do Folclore Brasileiro” relembra, falando sobre o Natal: “É a maior festa popular do Brasil, determinando um verdadeiro ciclo, com bailados, autos tradicionais, bailes, alimentos típicos, reuniões etc. De meados de dezembro até Sai de Reis, 6 de janeiro, uma série de festas ocorre por todo o Brasil, especialmente pelo interior, onde a tradição é mais viva e sensível. Para aguardar-se a missa do galo, há todos esses divertimentos.”

Em seu artigo “O Natal no folclore brasileiro”, publicado no jornal natalense “A República”, a 25 de dezembro de 1985, Julieta de Andrade, então Diretora do Museu do Folclore de São Paulo, escreveu sobre o que é o Natal: “A nível de cultura, é a festa das luzes. Das luzes que admiramos nas ruas e praças, nas velas e lamparinas de azeite à frente dos presépios domésticos, nas simbólicas bolas coloridas dos pinheirinhos enfeitados. Acima de tudo, é a festa da luz interior que passa a iluminar a mente e o coração dos adultos, tornando a todos mais ternos.” Como se constata, o tema das luzes volta sempre nas referências às festas natalinas.

Por exemplo, o Natal comemorado na cidade gaúcha de Gramado, um dos que mais atraem turistas do Brasil e de outras partes do mundo, é chamado “Natal Luz”, com espetáculos deslumbrantes como o show “Natalis”, onde o locutor de televisão Cid Moreira narra a história da celebração do nascimento de Jesus Cristo (o Dia do Natal foi fixado em 25 de dezembro, no século IV, pelo papa Júlio I), acompanhado de efeitos sonoros e luminosos, inclusive águas dançantes e fogos sincronizados. Tem também a árvore cantante, onde um coral de crianças deixa emocionados os visitantes, a contemplarem também belas coreografias.

Derivado das dramatizações ocorrentes nas lapinhas e pastoris, desde o século XVI, onde se representava com pessoas ao vivo as cenas do presépio (chegada dos pastores, que tinham sido avisados pelo anjo da Boa Nova, que era o nascimento de “um Salvador, que é o Menino”; e também a chegada dos Magos do Oriente), tem havido, ao longo da história da comemoração do Natal, os autos natalinos. São peças de teatro, com temas do devocionário religioso, mas também recheadas de assuntos leigos, que tem importância na produção e divulgação cultural. São escritas por intelectuais conhecidos.

Por exemplo, o teatro português começou com Gil Vicente, poeta e dramaturgo que, influenciado pela écloga salmantina (Juan delEncina e Lucas Fernandez), escreveu alguns autos, inclusive o “Auto dos Reis Magos” (1510). Já o beato José de Anchieta, embora também um estrangeiro de nascimento (nascido em Tenerife, nas Ilhas Canárias, portuguesas), é considerado o fundador da literatura brasileira, tendo escrito poemas e autos em terra brasileira, para atrair os indígenasà conversão ao catolicismo. Dentre estes autos que ele escreveu, alguns tinham como tema o Natal.

No século passado, destacou-se um brasileiro, o monge beneditino Dom Marcos Barbosa, que a partir de 1940 uma série de peças e autos de Natal, que tentavam restaurar, com sua ideologia cristã, o espírito do velho Natal brasileiro de influência lusitana, com suas lapinhas e pastoris. Estes autos foram publicados em livro, em 1959, pela Editora Agir. São autos que não tiveram apenas uma intenção ideológica (exaltar o cristianismo); tiveram também a intenção de renovar a linguagem e a estrutura dos autos religiosos. Sem desviar a essência da simplicidade comunicacional.

Por exemplo, no auto “O Anjo e o Asno”, os efeitos onomatopaicos, quase paraconcretos, de uma forma bem eficaz ligando ao nome do personagem bíblico referendado o som dos sinos: “como ao asno de Balaão, eu sou o anjo dos sinos, ba-la-ão, ba-la-ão.” Dom Marcos conseguiu fazer tanto teatro natalino de reflexão para adultos (v. “A Terceira Mensagem”), como o teatro natalino de forma lúdica, endereçado a crianças (v. “Carneirinho, Carneirão”, utilizando inclusive o elemento tradicional folclórico das cantigas de roda). São autos de poucos recursos técnicos, mas bastantecomunicativos pela simplicidade.

Não é como atualmente, onde cada auto natalino é apresentado em forma de show, implicando no texto as idiossincrasias filosóficas e psicológicas de cada autor, e no visual das encenações a parafernália de objetos e decorações à oferta nas lojas. Salva-se, no entanto, o tempero musical, pois música é fluidez e comunicabilidade imediata, e quando Jubileu Filho e Mirabô Dantas compuseram para o auto natalino “Jesus de Natal”, produzido pela Capitania das Artes em dezembro de 2005, com texto de Moacy Cirne, a trilha musical, deram ao público o presente da beleza sonora.

Isso também foi o acender da luz interior, necessária a cada Noite de Natal. Atentando-se bem para o significado da palavra “noite” além de ser o tempo em que o sol está abaixo do horizonte (escuridão, trevas, ignorância, tristeza), pode-se transferir este significado para uma semântica geral de certas circunstâncias da vida contemporânea (egoísmos, guerras, bulling escolar, desrespeito aos idosos, maltrato aos animais, criancinhas abandonadas, famintas e feridas cercadas de moscas em países da África. A luz do Natal precisa chegar até estas cenas, fazendo vê-las quem pode solucionar.

O verdadeiro cristão não deve se iludir com a falsa roupa vermelha e protetora contra o frio, dos papais-noéis dos shoppings. Em dezembro, nós temos mais calor que frio. O mito Papai Noel, baseado na figura do santo turco Nicolau, bispo de Mira (na Ásia Menor), que gostava de dar presentes inverteu atualmente a destinação de quem dá ou recebe presentes. O Papai Noel dos shoppings não dá presentes mas recebe o presente financeiro, aliás crescendo, pois quanto mais crescer o número de crianças que sentam no seu colo para tirar fotografia, mais cresce o bolo do dinheiro do seu contrato

Levar os filhos a tirar a foto no colo do Papai Noel não é um gesto de luz. Apontar a câmera fotográfica do celular para fotografar a falsa neve que circunda as árvores de natal dos shoppings, também não é um gesto de luz. A luz e as cores de Deus estão no arco-íris e no coração generoso de quem pensa o Natal como um dia-a-dia do ano todo. Faça-se propósitos de se encontrar a felicidade em cada ano que se inicia no deixar, com gestos de bondade, o selo da verdadeira felicidade. Deixando-o na vida de cada pobrezinho, de cada vítima de assaltos ou de balas perdidas, de cada deficiente físico, de cada injustiçado.

Boa comemoração do Natal, seria presépios ao vivo, pessoas posando como as figurinhas singelas de uma linda noite bíblica, homens como José, mulheres como Maria, e algumas criancinhas-bebês como o Menino Jesus. Em pequenas comunidades, este presépio poderia desfilar pelas ruas, com presentes necessários, alimentos, roupas, material escolar, remédios, brinquedinhos simples mas bonitos, e até envelopes com certa quantidade de dinheiro – naquelas casas de pessoas de pé no chão, como nas escolas de Djalma Maranhão. E então a noite seria realmente a Noite Feliz, Noite de Paz, Noite de Luz!

*Com post na página do Jornal Zona Sul





--
Postado por AssessoRN - Jornalista Bosco Araújo no AssessoRN.com em 12/20/2015 01:50:00 PM

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte | Assessoria de Imprensa

Campanha de incentivo à educação no RN é apoiada pela Assembleia 

Crédito da foto: Assessoria de Comunicação
 
A campanha em defesa da valorização da educação nas escolas públicas do Rio Grande do Norte, coordenada pelo Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE) e intitulada “Aqui A Gente Aprende” ganha reforço com o apoio da Assembleia Legislativa que essa semana publicará uma série de reportagens na TV e rádio Assembleia, além do site institucional do Poder Legislativo.

“Apoiamos a campanha em defesa da educação porque acreditamos no desenvolvimento educacional e social dos potiguares, com incentivo também às melhorias da qualidade de vida da população”, destaca o presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira (PMDB).

Além do apoio institucional, a Assembleia vai promover o debate sobre o tema através de audiências públicas e levar o tema a toda a Casa.

A coordenadora do IDE, Cláudia Santa Rosa diz que o objetivo é levar a bandeira defendida pela instituição ao grande público e com outra linguagem. “Queremos chegar a todos, os que possuem filhos nas escolas públicas, mas também aos que reconhecem a sua importância. Mostramos histórias bem-sucedidas na escola pública, para deixar claro que a sua qualidade é totalmente possível”, justifica a educadora.

A campanha “Aqui A Gente Aprende” retrata histórias bem sucedidas de escolas e professores da rede pública do Rio Grande do Norte. 

sábado, 19 de dezembro de 2015

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte | Assessoria de Imprensa

Ex-deputados e jornalista passam a nominar espaços da Assembleia

Crédito da foto: Eduardo Maia
 
Homenagens fazem parte da comemoração aos 180 anos da Casa

A manhã desta sexta-feira (18) foi de comemoração na Assembleia Legislativa pelos 180 anos do Legislativo Potiguar. Como parte da celebração, a Casa prestou homenagens aos ex-governadores e ex-deputados Cortez Pereira e Iberê Ferreira de Souza, além do jornalista Luciano Herbert, que agora passam a nominar o auditório, o salão nobre e a sala de redação da Assessoria de Comunicação da Casa, respectivamente.

“Prestamos hoje justas homenagens a três homens que foram notáveis em suas atuações e que colaboraram, cada um à sua maneira, com o Estado e o Legislativo. Cortez foi um visionário, homem que esteve sempre à frente de sua geração. Iberê Ferreira de Souza doou a sua vida a política potiguar, um homem que serviu de exemplo para outros políticos e Luciano um grande jornalista, que criou o setor de Comunicação da Assembleia”, disse o presidente Ezequiel Ferreira de Souza (PMDB).

O descerramento das placas alusivas aos homenageados contou com a participação de parlamentares, familiares e servidores da Casa. A viúva do ex-governador Cortez Pereira, Aida Cortez Pereira disse que “recebe com gratidão a lembrança. Costumo dizer que Cortez não passou por nossas vidas, mas sim que ficou em nossas vidas”, afirmou.

A homenagem a Iberê Ferreira também reuniu familiares do ex-governador. No Salão Nobre da Casa foi descerrada a placa que agora dá nome ao espaço. “Um homem que dedicou toda a sua vida ao Estado do Rio Grande do Norte”, comentou João Olímpio Ferreira de Souza, filho do também ex-deputado.

A sala da Assessoria de Imprensa da Assembleia passa a se chamar “Jornalista Luciano Herbert”, profissional que atuou como ex-coordenador de Comunicação da Casa, falecido em outubro deste ano. O homenageado foi o primeiro assessor da Assembleia Legislativa, permanecendo no cargo entre os anos de 2006 a 2010.

Durante a solenidade, a coordenadora de Comunicação da Assembleia, Marília Rocha, enalteceu o legado do jornalista. “É uma homenagem por tudo o que ele fez pela Assessoria de Comunicação, pela Casa e pelo Poder Legislativo”, declarou. O descerramento da placa contou com a presença da viúva do jornalista, Eliane Guerreiro e do seu filho, Gabriel Guerreiro.

Com a iniciativa, o auditório da Assembleia passa a ser denominado “Auditório Deputado Cortez Pereira”, a sala de redação passa a ser denominada de Luciano Herbert e o Salão Nobre da entrada principal da Casa passa a ser denominado deputado Iberê Ferreira de Souza.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Padre Cícero recebe o perdão da Igreja.

   Viva ! Demorou mas chegou seu dia ! Padre Cícero e Dom Helder, o "Bispo das Multidões", serão elevados aos altares numa mesma solenidade, segundo informações extra muros!  Já pensou  poeta Cunha Lima, Padim Ciço papa?! Não teria ocorrido a 2a. Guerra Mundial! O mundo seria bem melhor e Ghandi teria visitado Juazeiro para se aconselhar junto ao Padim e Lampião, convertido, seria sacristão da catedral do Crato. 
Dezembro é o mês da solidariedade!
Francisco de Assis.


Venerado no Nordeste, Padre Cícero recebe perdão da Igreja Católica

Padre Cícero é perdoado pelo Vaticano

8 de 14
Leo Correa/Associated Press
Anterior Próxima 
JOÃO PEDRO PITOMBO
DE SALVADOR
14/12/2015 13h36 - Atualizado às 16h30
1,7 mil
Venerado em romarias que atraem mais de 2 milhões de pessoas por ano a Juazeiro do Norte (CE), o Padre Cícero Romão Batista foi perdoado pela Igreja Católica após mais de um século de punição.
A reconciliação foi anunciada neste domingo (13) pelo dom Fernando Panico, bispo da Diocese de Crato (CE), que recebeu uma carta do Vaticano com a decisão do papa Francisco.
Conhecido popularmente como Padim Ciço, ele foi afastado da Igreja Católica após um episódio em 1889 que ficou conhecido como "milagre da hóstia", no qual uma hóstia dada pelo padre a uma beata teria se transformado em sangue.
"É o primeiro processo de reabilitação, de esquecimento do passado, que conheço na Igreja. É um caso único, estamos fazendo know-how", disse à Folha Armando Lopes, chanceler da Diocese de Crato. Segundo ele, a Diocese não pretende iniciar um pedido de beatificação de Padre Cícero de imediato: "É um processo muito demorado, não é nossa prioridade".



Bispo anuncia perdão do Vaticano a padre Cícero
Nos anos seguintes, o padre foi proibido de confessar, pregar e administrar os sacramentos, além de celebrar missas. Em 1896, O Santo Ofício determinou que ele deixasse a cidade de Juazeiro do Norte, sob pena de ser excomungado.
As punições se seguiram até 1926, quando o padre foi suspenso definitivamente pela Igreja, que lhe retirou as ordens. Ele morreu em 1934.
Carismático, Padre Cícero tinha influência sobre a vida social e política na região de Juazeiro do Norte, onde hoje há uma estátua de 27 metros de altura em sua homenagem.
A reconciliação foi pedida ao Vaticano há nove anos por dom Fernando Panico e é o primeiro passo para a reabilitação de Padre Cícero. Caso seja reabilitado, o padre estará apto a ser beatificado e canonizado.
A carta, assinada pelo cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano, diz que o Padre Cícero "viveu uma fé simples, em sintonia com o seu povo". A íntegra do documento será divulgada no próximo domingo (20) pela Diocese de Crato.
Em uma rede social na internet, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT) afirmou que recebeu "com muita alegria a informação da reconciliação da Igreja Católica com o querido Padre Cícero Romão Batista, nosso Padim"

Genibaldo Barros: o primeiro a chegar ao lançamento do livro sobre a intentona de 35.

O médico, professor, ex-secretário de saúde do Estado e ex-vice governador do RN, dr. Genibaldo Barros, curraisnovense de fibra longa, foi o primeiro a chegar ao lançamento do livro "O comunismo e as lutas políticas no RN na década de 30", editado pelo "Sebo Vermelho", de Abimael Silva foto 1 no dia 5 último. O livro de autoria do jornalista Luiz Gonzaga Cortez (foto 2) já está à venda nas livrarias de Natal.

 Dr. Genibaldo tem uma boa memória. Por isso, relembrou alguns episódios dos anos trinta em Currais Novos, inclusive quando a população da cidade retirou-se para a zona rural para escapar de tiroteios com os revoltosos de 23 de novembro de 1935 que chegaram ao Seridó no dia 26, após o "foto da Serra do Doutor". Aguardemos.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte | Assessoria de Imprensa

Ezequiel recebe presidente do Tribunal de Justiça do RN

Crédito da foto: Eduardo Maia
 
O presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PMDB), recebeu nesta quinta-feira (10) uma visita de cortesia do presidente do Tribunal de Justiça (TJRN), Cláudio Santos. Dentre outros assuntos, o desembargador esteve na Casa para convidar os parlamentares para a solenidade de entrega das medalhas Valor Judiciário Seabra Fagundes e do Mérito Judiciário Amaro Cavalcanti, outorgadas pelo Pleno do TJRN.

“É com enorme satisfação que recebemos esse convite. É um gesto que demonstra e reforça a importância da harmonia entre os Poderes”, disse Ezequiel.

A entrega das medalhas do Tribunal de Justiça vai acontecer em 18 de dezembro, às 10h, no prédio sede do TJ. O governador Robinson Faria confirmou presença na sessão solene, que marca também o encerramento do ano judiciário.

O desembargador Virgílio Macedo Júnior e o secretário geral do TJ, Fernando Jales, também participaram da visita.

Valor Judiciário
O intuito da Medalha Valor Judiciário Seabra Fagundes – mais alta honraria do Poder Judiciário do RN - é homenagear as pessoas que se distinguiram de forma notável em sua respectiva área de atuação e que contribuíram para o engrandecimento da Magistratura Nacional ou do Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Norte.
Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte | Assessoria de Imprensa

Deputados aprovam remanejamento de verbas orçamentárias

Crédito da foto: Assessoria de Comunicação
 
Matéria recebeu apoio unânime dos deputados em votação nesta quinta-feira

Com uma emenda apresentada em plenário pelo deputado Fernando Mineiro (PT), a Assembleia Legislativa aprovou por unanimidade dos deputados presentes à sessão ordinária na tarde desta quinta-feira (10), o Projeto de Lei do Governo do Estado que trata da autorização ao Executivo para remanejar recursos orçamentários.

No Projeto original a autorização era para transpor remanejar ou transferir dotações de uma categoria para outra, de um órgão para outro ou de um Poder para outro. Com a emenda apresentada pelo líder do Governo, o executivo só poderá remanejar recursos de outros poderes com a prévia anuência deles.

A matéria já tinha tramitado nas comissões de Constituição, Justiça e Redação e na de Finanças e Fiscalização. A emenda apresentada pelo líder do governo tornou-se consensual.

A autorização aprovada nesta quinta-feira tem por finalidade suplementar dotações relativas a pessoal e encargos sociais, juros encargos e amortização da dívida interna e externa e outras despesas correntes e de capital.

Bagunceiro não recorreu.

Defesa de Guilherme não recorreu

A defesa de Guilherme Mendes de Faria, acusado de agredir o médico Antônio Andrade, na unidade de saúde do município de Tibau do Sul, a 80 quilômetros de Natal, não entrou com recursos até o momento. De acordo com o advogado Flaviano Gama, que acompanha o caso, apenas orientações relacionadas ao comportamento foram passadas ao administrador de empresas. A agressão ao médico de 65 anos ocorreu na última sexta-feira (4).

Guilherme Mendes de Faria está impedido de sair do país por decisão assinada pela juíza Juliana Cartaxo Fernandes. Ele deve se apresentar mensalmente à Justiça, além de só poder se ausentar da comarca de residência, sem necessidade de autorização judicial, por até sete dias. Caso as medidas sejam descumpridas, a Justiça poderá decretar a prisão preventiva de Guilherme.

O Ministério Público do Rio Grande do Norte entrou com representação pedindo medidas cautelares contra Guilherme após ter recebido a informação de que ele estaria de viagem marcada para o Canadá.[Tribuna do Norte Leia mais]



--
Postado por AssessoRN - Jornalista Bosco Araújo no AssessoRN.com em 12/10/2015 07:18:00 PM

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Pelo décimo ano consecutivo, a Associação Potiguar de Fotografia (Aphoto) realiza uma expedição fotográfica noturna

Cartaz/Divulgação
Registrar as luzes da cidade através de fotografia é o objetivo da 10ª Expedição Noturna da Associação Potiguar de Fotografia (Aphoto), que acontecerá no próximo dia 17 de dezembro, a partir das 17h30, com encontro marcada no Pórtico dos Reis Magos e saindo para fotografar a árvore de Mirasol e finalizando no estacionamento do supermercado Carrefour, outro local legal para se fotografar a árvore de Mirassol.

Os fotógrafos vão sair a pé pela passarela do Natal Shopping para fazer fotos em baixa velocidade, passando pela árvore de Mirassol, pelo viaduto sobre a BR e terminando a noite no estacionamento do Carrefour. “É uma maneira de a gente reunir os fotógrafos numa grande confraternização, fazendo que mais gostamos que é fotografar”, desse o diretor da Aphoto, Jailson Fernandes.

A 10ª Expedição Fotográfica Noturna da Aphoto são abertas a participação de sócios, amigos, familiares e fotógrafos em geral que queiram se juntar ao grupo para se deleitar numa noite de fotografias e epifanias. Não há nenhuma cobrança de taxa e pode participar com qualquer câmera. “É importante levar um tripé para fotos em baixa velocidade”, aconselha o diretor da entidade.

SERVIÇO
10ª Expedição Noturna da Aphoto
Data | 17 de dezembro
Local do encontro: Pórtico de Natal, BR 101
Horário | 17h30
Informações | [84] 9 8896-5436 (com WhatsApp)

Alex Gurgel

©2015 www.AssessoRN.com | Jornalista Bosco Araújo - Twitter @AssessoRN



--
Postado por AssessoRN - Jornalista Bosco Araújo no AssessoRN.com em 12/09/2015 03:31:00 PM

Resposta rápida
Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte | Assessoria de Imprensa

Tomba Farias requer do Governo a recuperação das rodovias que partem para o Trairi

Crédito da foto: Eduardo Maia
 
O deputado estadual Tomba Farias (PSB) falou, durante sessão ordinária desta quarta-feira (9), sobre a situação das rodovias que partem para a região do Trairi. O debate foi iniciado após o deputado Nélter Queiroz (PMDB) agradecer ao governador Robinson Faria (PSD) pela recuperação da estrada que liga a BR 304 a São Rafael.

“As estradas estão em péssimas condições de tráfego. Faz tempo que pedimos a recuperação das estradas que partem para o Trairi e nada foi feito”, disse Tomba que sugeriu a Nélter visitar pessoalmente os referidos trechos.

Nélter disse que para conseguir a realização da obra, ele não liberou emendas para os municípios, destinando-as para a recuperação das estradas. “Fui ao diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagens do RN, Jorge Fraxe, para acordar que minhas emendas teriam esse destino”, disse Nélter.

O deputado participou do encerramento da festa da padroeira de Nossa Senhora da Conceição, em São Rafael e aproveitou a ocasião para registrar a parceria entre o governador e o prefeito da cidade, José de Arimatéia, na recuperação das estradas.

O deputado George Soares (PR) também elogiou a recuperação da estrada de São Rafael e a parceria entre o Governo e a prefeitura da cidade. O deputado Galeno Torquato (PSD) também se pronunciou sobre o assunto se mostrando preocupado com a situação asfáltica das rodovias que ligam o Alto Oeste.

Santa Cruz
Em aparte, ainda sobre o assunto, o deputado Kelps Lima (SDD) registrou que vai até o Trairi fazer um vídeo, para ser divulgado nas redes sociais, sobre a cidade de Santa Cruz. Kelps parabenizou o deputado Tomba pelo desenvolvimento do município. “Santa Cruz é um case de sucesso e deve seguir de exemplo. A região foi desenvolvida através da exploração da natureza", ressaltou Kelps Lima.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Doze presos já presos por tráfico, agiotagem e pistolagem, sendo 10 PMs.

8/12/2015 08h09 - Atualizado em 08/12/2015 09h26

PF e MPRN fazem operação para desarticular grupo de extermínio

Operação 'Thanatus' foi deflagrada nesta terça (8) na Grande Natal.
Foram expedidos 15 mandados de prisão; 10 contra PMs.

Do G1 RN
Operação 'Thanatus' foi iniciada na manhã desta terça (8) (Foto: Divulgação/PF)Operação 'Thanatus' foi iniciada na manhã desta terça (8) (Foto: Divulgação/PF)
Uma operação da Polícia Federal com o apoio do Ministério Público do Rio Grande do Norte foi iniciada na manhã desta terça-feira (8) na Grande Natal. O objetivo é desarticular grupo de extermínio. Foram expedidos 25 mandados de busca e apreensão e 15 mandados de prisão preventiva. De acordo com a PF, 10 policiais militares são suspeitos de associação para cometer homicídios em atividade do grupo de extermínio.
A operação foi denominada 'Thanatus' e vai desarticular um grupo de extermínio formado por 15 pessoas que atua em cidades da região metropolitana da capital potiguar.  As investigações foram iniciadas há sete meses e conseguiram apurar cerca de 16 assassinatos praticados no período de 2011 a 2015.
As mortes, todas com características de execução, foram motivadas por dívidas decorrentes do tráfico de drogas, vingança e até mesmo encomendadas em troca de altas somas em dinheiro. Segundo a PF, 'Thanatus' vem da mitologia grega e significa a “personificação da morte”. A operação conta com o apoio de 165 agentes da PF, além de policiais do BOPE e do Batalhão de Choque da PM.
tópicos: