quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Reunião do Conacan

Anuncia-se para a noite do próximo dia 12, no CONACAN, mais uma assembléia geral dos condôminos do conjunto residencial de Candelária (zona sul de Natal/RN), afim de apreciar e discutir assuntos diversos, conforme edital de convocação sem data, da presidência da entidade.
Nos bares de Candelária, comenta-se que o assunto principal será o dinheiro repassado pela Platinum Fitness, de Ricardo Mesquita de Faria, para o CONACAN, no total de 140 mil reais, mas não apareceu na conta bancária (Unibanco) da organização social. O dinheiro para pagar, ADIANTADO, o arrendamento de todos os imóveis de propriedade do CONACAN pelo prazo de quinze anos. Arrendamento, geralmente, se paga por mês, mas pelo contrato leonino, foi pago adiantado.
No reino da Candelária, a onda de informações certas e boatos é grande. Estão falando em novas torres, vendas de apartamentos, compras de carro e casa. È isso aí, quem tem dinheiro pode comprar e pagar. A boataria é grande. As próximas eleições deverão ocorrer nos próximos 45 dias, se tudo correr bem. Há três chapas na disputa, inclusive uma chapa encabeçada pelo dono do jornal "Tribuna Potiguar", outra da situação., Victor Vale. Dizem que aparecerá outro candidato cujo nome. Os fotógrafos Junior e Lenilton, a ex-presidente do Conacan, Gilza Bezerra,  estão apoiando a chapa que Júnior apoia. Bons nomes ele tem na chapa.
Victor assegurou que vai disputar a reeleição. Indagado sobre o que os seus adversários estão falando sobre a sua administração, Victor disse ao repórter, informalmente, na rua Raposo Câmara, que está trabalhando com idéias.
Em tempo: a assembléia geral extraordinária foi realizada na segunda convocação e contou com a participação de 61 condôminos, mas não houve confecção da ata, substituída por uma lista de presenças, fato que, técnicamente, não valida a reunião. Como provar o juiz que ordenou a realização da assembléia para validar uma operação de venda de um apartamento sem uma ata? Pessoalmente, não sei. Outro questionamento é avisar, verbalmente, após a assembléia do dia 12, que haverá outra convocação de nova assembléia, após o carnaval, com o objetivo de reunir mais moradores de Candelária, bairro que tem cerca de 18 mil habitantes.
Victor Vale, apesar das suas boas intenções, está municiando seus adversários que, no futuro, poderá invalidar as ações com o propósito de vender o apartamento para indenizar a Platinum.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

No roteiro dos bares.

Com um pequeno texto sobre Zuilton, o boêmio educado, publicamos matéria e foto no blog http://www.nataleoutrascoisas.blogspot.com/, por motivos técnicos.
O Editor.

TIBÉ, a saga de um cachorro inteligente.

Primeira Parte

Data de nascimento: ignorada.
Data de falecimento: 14/06/2005.

Autor: Francisco Canindé da Fonsêca.
Natal, junho de 2006.

Aos anjos da Guarda de Tibé:
Francisco Assis de Azevedo (Chiquinho)
Hipólito Soares da Silva (Seu Nildo)
Everton Diego Nogueira da Silva Oliveira (Diego)

Nos meses de janeiro, fevereiro e até o reinício das aulas, as ruas do Conjunto Candelária ficam praticamente desertas. Em época de férias e com o calor do verão, os moradores deixam suas casas na cidade e rumam para as lindas praias do litoral potiguar para curtir o clima, o sol, o mar e as demais mordomias que a natureza lhes proporciona. Os finais de semana são de um marasmo impressionante. O conjunto nada fica a dever a uma cidadezinha lá de um longínquo  recanto do interior, tamanha é a tranqüilidade, o silêncio e ar de preguiça que se estampa na cara dos poucos viventes que ficaram por ali.
O bairro estava mergulhado nessa calmaria, em pleno verão de meados da década de noventa, onde o silêncio era tanto que se podia ouvir até o barulho deuma folha rolando, levada pelo vento. Nas praças, um  ou outro velho cochilava sentado nos bancos, enquanto meia dúzia de crianças jogava bola nas calçadas. De repente, ouviu-se um barulho de umna freada brusca, o grito de dor de um cachorro e o ronco de um motor de veículo que arrancara em disparada e que, em questão de segundos, desaparecera na primeira curva.
Aí, o que era tranqüilo e calmo, transformou-se em alvoroço e desespero. As crianças aos poucos foram se aproximando do local do acidente e tomando conhecimento do que realmente havia acontecido. A cena era terrível. Um cachorro estirado no meio da rua e sangue derramado no asfalto. O cão não parecia ser conhecido dos meninos e aparentemente já estava morto, o que não diminuiu o interesse dos garotos em tomar conta do que restava daquele pobre cachorro. Resolveram, então, pegá-lo com muito cuidado e colocá-lo sobre a calçada, para um exame mais minucioso. Um dos garotos ao se debruçar sobre o animal quando examinava, sentiu que o mesmo ainda respirava. Com semblante alegre e ar de vitória, gritou: - Ele ainda está vivo! Está respirando! Foi alegria total no grupo. Em seguida, perceberam que a perna traseira do lado esquerdo tinha sido praticamente esmagada pelos pneus do carro. Estavam desesperados sem saber como ajudar o animal, quando apareceu uma senhora moradora de uma rua adjacente, que também presenciara o acidente, e , ao ver o sofrimento estampado no olhar do cachorro, foi enfática: "Eu levo para uma clínica veterinária, pago tudo que for preciso, mas não me responsabilizarei´pelos tratamentos pós operatórios". Ora, os meninos responderam em um coro só: "Eu cuido!!!".
Depois que o cachorro voltou do veterinário com um implante de platina na perna, um monte de curativos espalhados pelo corpo, mas com cara de quem queria viver, os meninos deram conta de umacaa desabitada, cujos moradores estavam veraneando em uma praia distante e foi lá que instalaram o seu quartel-general. Começaram a cuidar do bicho com carinho e muita dedicação. Deram-lhe o nome de Tibé, (sabe-se lá por que), revezavam-se nos curativos e na alimentação e o fato é que, com mais ou menos trintadias, o bicho ganhou novamente as ruas de Candelária, para alegria de todos e felicidade geral das crianças do bairro.
E foi no bairro de Candelária nque Tibé passou a viver e conviver durante, aproximadamente, quinze anos. Às vêzes, brincando com as crianças, às vezes dando guarda na residência de uma pessoa amiga, dormindo nas sombras das ávores das praças. E assim construiu suas amizades e passou ser persona mui grata para todos os moradores do conjunto.
(continua na próxima semana).
Com base no texto de Fonseca, o poeta popular Manuel Azevedo publicou um livro de cordel com o título "TIBÉ - A saga de um cão de rua (um conto de Candelária), com xilogravura de Erick Lima, pela editora Serrote Preto, lançado em 19 de novembro de 2010. O livro contou com apoios do Sindipetro, Fundação José Augusto, Litoral Lanches, CONACAN, Musiart, Neoprint, Casa do Cordel, Comercial Apolo Ltda. Imeio do autor: manuel.serrotepreto@gmail.com . Projeto gráfico:CRIARTE - 3201.1499.